Tuesday, August 29, 2006

Para Sempre

Subimos o último lanço de escadas juntos, a correr. Chegamos lá acima, seguro-lhe a porta e puxo-a os últimos degraus.

Primeiro segura-se a mim, surpreendida com o vento forte, depois debruça-se na parede e grita de espanto:

- É lindo!! Nunca pensei que a vista daqui fosse tão bonita.
- Sim, é completamente insuspeito. É o meu canto secreto. Serve para ver o mundo a correr de um lado para o outro, lá em baixo.
- É tão alto...
- São 18 andares.
- Sabes o que eu gostava?
- Não. O quê?
- Gostava de fazer amor contigo aqui em cima.

Olho-a nos olhos, sorrio primeiro, depois aproximo o meu rosto do seu e beijo-a. Beijamo-nos. Primeiro ao de leve, depois sofregamente, como se nos mordêssemos.

Sem descolar as bocas, ela despe-me a t-shirt e acaricia-me... eu luto com os botões da sua camisa e acabo por os vencer. Beijo o seu peito, o seu pescoço, agarro-a com força, levanto-a e sento-a num dos longos bancos que decoram o terraço. Deito-a, desaperto os botões das suas calças e puxo-as lentamente.

Agarrados, fazemos amor, com o som da cidade em fundo, como um coração que bate marcando o ritmo de um ser que não pára nem abranda... tal como nós, já cobertos de suor, mas ainda não saciados.

Muito tempo depois, ainda lado a lado a olhar o céu, partilhamos a visita da Lua, e a despedida do sol. Observamos nos olhos um do outro os refexos cintilantes e coloridos dos néons da cidade. Afago o seu cabelo, olho-a nos olhos e pergunto:

- Vais ser minha para sempre?
- Vou, enquanto formos um do outro serei tua para sempre.
- E... e depois disso.
-Depois disso seremos para sempre de outras pessoas... não interessa. Interessa apenas o agora. E neste momento sou tua para sempre.

3 comments:

KooKa said...

=)

Outro dos meus favoritos. Quando leio este texto, consigo sentir o vento também.

Atlantys said...

Like it baby =)

Marta said...

Quando deixamos que a caneta deslize como se não fôssemos nós a escrever... Quando dançamos como se flutuássemos... Quando estamos tão perto que nos confundimos com o outro...
Em todos estes "quandos", devia haver um "para sempre".